quarta-feira, 7 de julho de 2010

Cuidar das pessoas portadoras de necessidades especiais


O grau de evolução de um povo pode ser mensurado pelo cuidado para com seus membros mais vulneráveis e doentes.

Diante de alguém com deficiência física, motora, sensorial ou mental, as pessoas vivem sentimentos contrastantes e contraditórios: desde a repulsa até a compaixão.

O conceito de deficiência está ligado à idéia de imperfeição, fraqueza, carência. Muitos confundem a deficiência com o seu portador e, consequentemente, o termo passa a ser usado de forma discriminatória e injusta. A deficiência passa a ser vista como uma mancha, um defeito, uma mácula, uma tara. Precisamos distinguir e "ver a pessoa na deficiência e não a pessoa como um deficiente".

Ao longo da história, temos uma lista enorme de expressões para designar quem é portador de determinada deficiência. Em geral são expressões preconceituosas e ofensivas à dignidade humana. Eis as mais comuns: paralítico, anormal, mongoloide, aleijado, manco, inválido, imperfeito, retardado, débil, defeituoso, excepcional, entre tantas outras.

Chamemos a pessoa pelo nome e não pela deficiência!

Além de proporcionarmos os cuidados médicos de reabilitação ou de saúde mental necessários, sejamos promotores de dignidade!

(Pe. Leo Pessini, Camiliano)

2 comentários:

Betty Boop disse...

Isso é sério mesmo, as pessoas deveriam prestar mais atenção na forma como lidam com os outros para não magoarem e nem discriminarem.

♥♥♥ Bjokas pra ti! ♥♥♥

busquesantidade disse...

Obrigada pelo seguimento. Tenho uma amiga Bruna... blog: Esclerose Múltipla e Eu.
Bruninha é portadora desta enfermidade. Sempre tento convencê-la justamente sobre isto: você está doente, mas o seu corpo todo não é a doença. Ela insiste em se dar muitos nomes perjorativos. Tipo: esclerosada e coisa e tal... Só que além de bela é também inteligentíssima. Entra no blog dela e confirme isto. Rsrsrs.. Abraço fraterno. Lourdes Dias.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...