terça-feira, 29 de dezembro de 2015

2016: Ano Santo da Misericórdia

 

Ano da Misericórdia: entenda o significado e como receber indulgências

O Ano da Santo da Misericórdia já está se aproximando: a abertura acontecerá no próximo dia 8 de dezembro, na Solenidade da Imaculada Conceição. E para entender melhor o que significa este ano jubilar e como bem viver, seguem abaixo as orientações, como praticar as obras de misericórdia e receber indulgências.

Outra dica também para os jovens é se aprofundar na mensagem do Papa Francisco para a XXXI Jornada Mundial da Juventude 2016, a ser realizada de 25 a 31 de julho, em Cracóvia (Polônia). O tema da JMJ se insere no contexto do Ano da Misericórdia e este texto do Santo Padre orienta ainda os jovens a como se preparar para o grande encontro mundial.


O Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização preparou também um site com todas as informações e notícias sobre o ano jubilar. Acesse AQUI.

O que é o Ano Santo?

O Papa Francisco anunciou o Jubileu do Ano Santo da Misericórdia por meio da Bula de Proclamação Misericordiae Vultus (O Rosto da Misericórdia). O Jubileu inicia em 08 de dezembro de 2015 e se concluirá no dia 20 de novembro de 2016, com a Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo.

A celebração do Jubileu se origina no judaísmo. Consistia em uma comemoração de um ano sabático que tinha um significado especial. A festa se realizava a cada 50 anos. Durante o ano os escravos eram libertados, restituíam-se as propriedades às pessoas que as haviam perdido, perdoavam-se as dívidas, as terras deviam permanecer sem cultivar e se descansava. Era um ano de reconciliação geral. Na Bíblia, encontramos algumas passagens dessa celebração judaica (cf. Lv 25,8).

O que significa Jubileu?

A palavra Jubileu se inspira no termo hebreu de yobel, que se refere ao chifre do cordeiro que servia como instrumento musical. Jubileu, também tem uma raiz latina, iubilum que representa um grito de alegria. Na tradição católica, o Jubileu consiste em que durante um ano se concedem indulgências aos fiéis que cumprem certas disposições estabelecidas pelo Papa. O Jubileu pode ser ordinário ou extraordinário. A celebração do Ano Santo Ordinário acontece em um intervalo a cada 25 anos, com o objetivo de que cada geração experimente pelo menos uma em sua vida. Já o Ano Santo Extraordinário se proclama como celebração de um fato destacado. O Jubileu proclamado pelo Papa Francisco é um Ano Santo Extraordinário. É um convite para que, de maneira mais intensa, fixemos o olhar na Misericórdia do Pai.

Por que abrir uma porta no Ano Santo?

A Porta Santa, na Basílica de São Pedro, em Roma, só se abre durante um Ano Santo e significa que se abre um caminho extraordinário para a salvação. Na cerimônia de abertura, o Papa toca a porta com um martelo 3 vezes enquanto diz: “Abram-me as portas da justiça; entrando por elas confessarei ao Senhor”. Depois de aberta, entoa-se um canto de Ação de Graças e o Papa atravessa esta porta com seus colaboradores.

O que fazer nesse ano?

Na Bula Misericordiae Vultus, o Papa Francisco sugere algumas iniciativas que podem ser vividas em diferentes etapas:
  •     Realizar peregrinações;
  •     Praticar as obras de misericórdia;
  •     Intensificar a oração;
  •     Passar pela Porta Santa em Roma ou na Diocese;
  •     Perdoar a todos;
  •     Buscar o Sacramento da Reconciliação;
  •     Superar a corrupção;
  •     Receber a indulgência;
  •     Participar da Eucaristia;
  •     Fortalecer o ecumenismo;
  •     Converter-se.

O que é a indulgência?

Indulgência é a remissão diante de Deus da pena devida aos pecados, cuja culpa já foi perdoada. Cada vez que alguém se arrepende e se confessa, é perdoado a culpa dos pecados cometidos, mas não a pena. Por exemplo, se alguém mata uma pessoa e se arrepende, depois pede perdão e procura o Sacramento da Penitência, receberá o perdão. Contudo, como repassar o mal cometido que tirou a vida de alguém? Por isso permanece uma pena após o perdão. Essa situação pode ter um indulto, uma indulgência, que a Igreja oferece em certas condições especiais e quando o fiel está bem disposto a buscar a santidade de vida, aproximando-se cada vez mais de Deus. A Igreja pode oferecer a indulgência pelos méritos de Cristo, de Maria e dos santos que sempre participam da obra da salvação. Sobre isso, escreveu o Papa Francisco: “No sacramento da Reconciliação, Deus perdoa os pecados, que são verdadeiramente apagados; mas o cunho negativo que os pecados deixaram nos nossos comportamentos e pensamentos permanecem. A misericórdia de Deus, porém, é mais forte também do que isso. Ela torna-se indulgência do Pai que, através da Esposa de Cristo, alcança o pecador perdoado e liberta-o de qualquer resíduo das consequências do pecado, habilitando-o a agir com caridade, a crescer no amor em vez de recair no pecado” (Misericordiae Vultus, 22).

Como receber a indulgência?

Para receber a indulgência todos são chamados a realizar uma breve peregrinação rumo à Porta Santa, aberta em cada Catedral ou nas igrejas estabelecidas pelo Bispo diocesano, como sinal do profundo desejo de verdadeira conversão. É importante que este momento esteja unido, em primeiro lugar, ao Sacramento da Reconciliação e à Celebração da Eucaristia com uma reflexão sobre a Misericórdia. Será necessário acompanhar essas celebrações com a profissão de fé e com a oração pelo Papa, para o bem da Igreja e do mundo inteiro.

Há indulgências para os falecidos?

A indulgência pode ser obtida também para os que faleceram. A eles estamos unidos pelo testemunho de fé e caridade que nos deixaram. Assim como os recordamos na Celebração Eucarística, também podemos, no grande mistério da Comunhão dos Santos, rezar por eles, para que o rosto misericordioso do Pai os liberte de qualquer resíduo de culpa e possa abraça-los na felicidade sem fim.

E os doentes e idosos?

Para eles será de grande ajuda viver a enfermidade e o sofrimento como experiência de proximidade ao Senhor que no mistério da sua paixão, morte e ressurreição indica o caminho para dar sentido à dor e à solidão. Viver com fé e esperança este momento de provocação, recebendo a comunhão ou participando na Celebração Eucarística e na oração comunitária, inclusive através dos vários meios de comunicação, será, para eles, o modo de obter a indulgência jubilar.

As obras de misericórdia

A experiência da misericórdia torna-se visível pelo testemunho concreto. Todas as vezes que um fiel viver uma ou mais destas obras pessoalmente, obterá a indulgência jubilar.

Obras corporais
  •     Dar de comer aos famintos;
  •     Dar de beber aos que tem sede;
  •     Vestir os nus;
  •     Acolher o estrangeiro;
  •     Visitar os enfermos;
  •     Visitar os encarcerados;
  •     Sepultar os mortos.

Obras espirituais
  •     Aconselhar os duvidosos;
  •     Ensinar os ignorantes;
  •     Admoestar os pecadores;
  •     Consolar os aflitos;
  •     Perdoar as ofensas;
  •     Suportar com paciência as injustiças;
  •     Rezar a Deus pelos vivos e pelos mortos.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Sagrada Família


Neste domingo da Sagrada Família, peçamos que Jesus, Maria e José
 abençoem as nossas famílias, protegendo-as contra todos os males,
renovando o amor, a paz e a união.
Rezemos com fé: Jesus, Maria e José: nossa família vossa é!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Natal


Estou tão alegre, Jesus!
O Natal é uma época tão bonita,
 cheia de presentes e surpresas.
Mas Tu foste a maior surpresa de todas,
porque ninguém podia imaginar
que chegarias como uma criancinha
nascida num lugar tão pobre como um estábulo.
Tu foste a melhor dádiva de todas,
uma dádiva do Deus que nos deu a vida eterna.
Obrigado por seres a maior surpresa
e a melhor das dádivas.

Fonte: "365 orações para crianças" - Ed. Scipione

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Quando Teu Pai Revelou


Quando Teu pai revelou o segredo a Maria que,
pela força do Espírito, conceberia,
a ti Jesus, ela não hesitou logo em responder:
Faça-se em mim, pobre serva o a que Deus aprouver.
Hoje imitando a Maria que é imagem da igreja,
nossa família outra vez Te recebe e deseja,
cheia de fé, de esperança e de amor dizer sim a Deus:
Eis aqui os teus servos Senhor!

Que a graça de Deus, cresça em nós sem cessar!
E de ti, nosso Pai, venha o Espírito Santo de amor,
pra gerar e formar Cristo em nós.


Por um decreto do Pai ela foi escolhida
para gerar-te, ó Senhor que és origem da vida;
cheia do Espírito Santo no corpo e no coração
foi quem melhor cooperou com a Tua missão.
Na comunhão recebemos o Espírito Santo
e vem contigo Jesus o teu Pai sacrossanto;
vamos agora ajudar-te no plano da salvação:
Eis aqui os teus servos Senhor!

No coração de Maria, no olhar doce e terno,
sempre tiveste na vida um apoio materno.
Desde Belém, Nazaré, só viveu para Te servir;
quando morrias na cruz Tua mãe estava ali.
Mãe amorosa da Igreja quer ser nosso auxílio.
Reproduzir no cristão as feições de Teu filho.
Como Ela fez em Caná, nos convida a Te obedecer:
Eis aqui os teus servos Senhor!

sábado, 12 de dezembro de 2015

Segundo Mandamento


 "Senhor nosso Deus, 
quão poderoso é teu nome em toda a terra"
(Sl 8)

O nome é a revelação de uma pessoa. Dizer o nome de uma pessoa é dizer quem e o que ela é. Assim, dizer o nome de Deus é chamar a Sua presença. Porque o nosso Deus é santíssimo, Seu nome também o é.

A mística deste mandamento é o amor para com Deus. Por amor, devoção, afeto, carinho e gratidão para com Ele, devemos alimentar um grande respeito para com Seu santo nome. Ao pronunciar o santo nome de Deus, devemos fazê-lo com amor, respeito e devoção.

Aquele que tem a Deus como bem supremo, como o "amor mais amado", com certeza terá um grande carinho, respeito e veneração pelo Seu santo nome.

Uma forma de orar com profundidade e devoção é repetir várias vezes o santo nome de Deus Pai, de Jesus Cristo, do Espírito Santo ou dizer mais vezes o "Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo".

Este segundo mandamento nos ensina a não abusar do nome santo de Deus, a não usá-lo inconvenientemente, a não blasfemar contra Deus, a não jurar falsamente, a não desafiar a Deus.

A blasfêmia é usar o Nome de Deus, de Jesus Cristo, do Espírito Santo, da Virgem Maria e dos santos de maneira injuriosa, profana, maldosa. O juramento falso é invocar a Deus como testemunha de uma mentira. O perjúrio (falso testemunho) é uma grave falta contra o Senhor, sempre fiel a suas promessas.

Nós, cristãos, começamos nossas orações e nossas ações com o sinal-da-cruz, chamando o nome de Deus. Dizemos que fazemos aquela ação "em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo". Este mandamento ensina a respeitar o nome Santo de Deus.

(Texto: Pe. Alírio J. Pedrini, scj)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Belém, fonte de paz e de amor



A humanidade tem sede de Paz, de Amor.
Em Belém brota a fonte para todos os corações sedentos de Infinito.
Felizes todos aqueles cujas buscas e cujos itinerários
terminam em Belém, junto ao presépio.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

O Dom do Discernimento


Quando falamos do dom do Discernimento, falamos da capacidade dada por Deus a nós para perceber, distinguir, diferenciar aquilo que é da própria Vontade d'Ele e aquilo que não é. De forma simples, é dizer: viver e praticar o bem e fugir do mal.

Esse dom nos permite identificar qual espírito está impulsionando ou influenciando uma ação, uma situação, um desejo, uma decisão a tomar, algo que nos digam ou ofereçam. É preciso chamar o Espírito Santo, para que nos torne capazes para isso.

Vale recordar o que disse o Papa Paulo VI, à sua época, mas que é tão atual: "O dom dos dons para os tempos de hoje é o do Discernimento".

E isso podemos afirmar, pois se não conseguirmos discernir algumas coisas, inclusive dos ensinamentos de Cristo e da Igreja, seremos levados de tal maneira que nem saberemos para onde estamos indo.

Desse modo, é preciso ter a docilidade para se deixar conduzir pelo Espírito Santo, distinguindo o que vem de Deus, se não for assim, as informações, ideias e valores em nossa mente e coração se confundirão. É preciso ouvir o Senhor que fala ao nosso coração pela oração e perseverar na fé.

Precisamos também estar atentos, porque o espírito humano gera em nós o orgulho, a vaidade, o ciúme, a inveja, rivalidade e competições. Aqueles que estão mergulhados no Espírito de Deus são capazes de renunciar a tudo isso para viver imersos na graça, que transforma o coração e nos ajuda a discernir entre o que é humano e o que é divino.

Seja sempre dócil ao Espírito Santo e deixe Cristo falar ao seu coração.

Fonte: Revista Brasil Cristão - Texto: Pe. Adilson Ulprist

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

A revelação da oração

 
O Catecismo da Igreja Católica diz que "o homem anda à procura de Deus". Mesmo depois do pecado, de se ter perdido a semelhança com Deus, o homem continua a ser imagem do seu Criador. "Mas é Deus que primeiro chama o homem". Muito embora o homem se esqueça do seu Criador, corra atrás de ídolos ou acuse a divindade de o ter abandonado, o Deus vivo e verdadeiro chama incansavelmente cada pessoa ao misterioso encontro da oração.

Na oração, é sempre o amor do Deus fiel a dar o primeiro passo; o passo do homem é sempre uma resposta.

Em meio a obscuridades, dificuldades e desvios, o homem tem procurado relacionar-se com o Deus verdadeiro. Nesse sentido, a oração se apresenta como o ato fundamental de todas as religiões.

No entanto, é Jesus quem revela e ensina, de maneira definitiva, a natureza da oração como encontro inefável com um Deus que se revela como Pai.

Eis porque o cristianismo é, por excelência, a religião da oração. A oração cristã é inteiramente nova: só nela encontra a comunhão filial com o Pai, pelo Filho, no Espírito Santo; e nenhuma outra é, como ela, manancial de salvação para todo o mundo.

A oração cristã é um mistério de graça. É obra de Deus em nós. A aprendizagem da oração consiste em nossa abertura, colaboração e entrega a essa graça da oração.

A oração é uma arte que deve ser aprendida. Para tanto, é necessário orar sempre, quer sintamos vontade ou não. Se não formos perseverantes não aprenderemos a orar. Por isso é tão prejudicial orar só quando se tem vontade, porque um dia essa vontade vai deixar de existir.

A verdadeira oração é um encontro com Deus. quando alguém insiste com Deus para ser acolhido na sua misericórdia, ele se deixa encontrar, pois Deus não resiste ao homem que o deseja com ardor. A principal razão de não encontrarmos Deus é que não o desejamos com ardor. Deus ainda não é tão essencial para nós como o ar que respiramos. Pense nisso!

(Pe. Francisco Sehnem, scj)

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Devemos proteger a vida por nascer


Um vídeo foi divulgado com atores famosos promovendo o Aborto e ofendendo a Grande Mãe de Deus, Maria Santíssima.

Atores globais revelam o ódio contra a Igreja Católica e os valores cristãos, através de blasfêmia, desrespeito a culto religioso e vilipêndio da Fé, violando o artigo 5 da Constituição Federal.

Irmãos, peçamos nas Santas Missas orações de reparação às ofensas cometidas contra a Santíssima Virgem Maria.

Este vídeo foi feito por um anônimo visando questionar a mensagem que o vídeo original quis passar.
Será que devemos seguir tudo o que os famosos ensinam?

Como sabemos o aborto é um pecado muito grave e precisa ser rejeitado a todo custo por todos os católicos. A Igreja sanciona com uma pena canônica de excomunhão para este delito contra a vida humana àqueles que praticarem ou até mesmo cooperarem com ele.





terça-feira, 10 de novembro de 2015

Almas perfumadas



Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta.
De sol quando acorda.
De flor quando ri.
Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede
que dança gostoso numa tarde grande,
sem relógio e sem agenda.
Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça.
Lambuzando o queixo de sorvete.
Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher.
O tempo é outro.
E a vida fica com a cara que ela tem de verdade,
mas que a gente desaprende de ver.


Tem gente que tem cheiro de colo de Deus.
De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.
Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem
e que alguns são invisíveis.
Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa
e trocando o salto pelo chinelo.
Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso.
Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã de Natal
do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.


Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu
e daquelas que conseguimos acender na Terra.
Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível,
a gente tem certeza.
Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria.
Recebendo um buquê de carinhos.
Abraçando um filhote de urso panda.
Tocando com os olhos os olhos da paz.
Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave
que sua presença sopra no nosso coração.


Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa.
Do brinquedo que a gente não largava.
Do acalanto que o silêncio canta.
De passeio no jardim.
Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade
é um perfume que vem de dentro
e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo.
Corre em outras veias.
Pulsa em outro lugar.
Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos
Deus está conosco, juntinho ao nosso lado.
E a gente ri grande que nem menino arteiro


Tem gente como você,
que nem percebe como tem a alma perfumada
e que esse perfume é dom de Deus.

(Ana Cláudia Saldanha Jácomo)

domingo, 8 de novembro de 2015

Primeiro Mandamento


Amar a Deus mais do que a todas as coisas é colocá-Lo em primeiro lugar em nossa vida.

Porque Ele é amor infinito e nos ama com amor eterno, personalizado, misericordioso, gratuito e incondicional, deve ocupar o primeiro lugar em nosso coração.

Porque Ele é o maior tesouro, a maior riqueza e a fonte de todas as bênçãos para nossa vida, merece e precisa ser o primeiro entre todos os valores, precisa ocupar o primeiro lugar.

Quando damos a Deus o "Seu lugar", o altar principal do nosso coração, saberemos colocar todos os outros valores e todas as outras coisas no seu devido lugar. E saberemos substituir os não-valores por valores preciosos.

Para colocar Deus em primeiro lugar, para amá-Lo com toda vibração do coração, e para tê-Lo como a maior riqueza, é preciso "sentir-se amado por Ele", é preciso perceber todas as provas de amor de Deus Pai, Filho-Jesus e que o Espírito Santo já nos deram e nos dão a cada dia. É a vivência de uma amizade profunda e cultivada com o Deus-Trindade, é um amor entranhado e experimentado para com Ele que nos leva a colocar "Deus em primeiro lugar".

Ao colocarmos Deus em seu devido lugar, isto é, em primeiríssimo lugar, todas as outras pessoas e coisas passarão a ocupar o seu respectivo lugar na verdadeira escala de valores. Aliás, só quando colocarmos Deus em primeiro lugar é que encontraremos a melhor forma de amar, de valorizar e servir as pessoas, e de usar de forma correta e sábia toda a criação divina.

Quando Deus ocupa seu devido lugar em nosso coração e em nossa vida, vivemos a verdadeira fé, sentimos a força da esperança, e sabemos o significado da caridade, bem como de tudo quanto ela é capaz de realizar em relação a Deus e aos irmãos. E mais, a adoração, o louvor, a glorificação, a ação de graças, a rendição, a busca do perdão divino, enfim, todas as formas de oração, brotarão do coração naturalmente, como de uma fonte.

Quando vivemos no amor supremo de Deus, sentiremos horror a todo tipo de pecado contra o primeiro mandamento, ou seja, a todo tipo de idolatria, superstição, magia, adivinhação, irreligião, enfim, a tudo o que queira ocupar o lugar de Deus em nossa vida. Sentiremos horror a todo pecado, pois ele ofende a Deus, o bem supremo.

Amar a Deus sobre todas as coisas: eis a fonte de todas as bênçãos.

(Pe. Alírio J. Pedrini, scj)

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Agenda de hoje


"Uns repartem o que é seu e ficam mais ricos;
outros arrebatam o que não é seu
e sempre são mais pobres".
(Salomão)

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Pequenos grandes gestos

 

Você já refletiu sobre o valor e a repercussão psicológico-espiritual de um sorriso presenteado a alguém? Na mão amiga pousando sobre um ombro abatido, destroçado? No valor de alguns minutos de conversa com o velho solitário, a quem ninguém dá atenção?

Um olhar compreensivo para o bêbado da rua. Uma esmola ao mendigo esfarrapado que bate à nossa porta. Um sincero "Deus lhe pague" ao motorista do ônibus ou do táxi. Uma rápida ajuda ao dono do carro que enguiçou na estrada. Um perdão difícil. Pequenas coisas, insignificantes gestos. Mas quanto valem, quanto pesam, quanto confortam!

"Não pergunte o que a nação pode dar a você. Veja o que você pode prestar de bom e construtivo ao seu país, aos seus colegas de nacionalidade".  (John Kennedy)

O grande segredo da felicidade, disse alguém, é saber adivinhar. Adivinhar as alegrias e os sofrimentos, as vitórias e as derrotas, as carências e necessidades dos nossos irmãos de caminhada.

(Pe. Roque Schneider)

domingo, 1 de novembro de 2015

O Dom da Sabedoria


O dom da Sabedoria deve nos ajudar a viver uma vida sob a luz da Palavra de Deus e a buscar a prática daquilo que O agrada, o  amor.

Fomos criados à imagem e semelhança de Deus (Gn 1, 26) porque Dele recebemos a capacidade de amar e de discernir entre o bem e o mal. No nosso Batismo recebemos o Espírito Santo, que nos liberta do pecado e, através dos seus dons, nos ajuda a viver segundo as leis do amor.

O Papa Francisco, em uma de suas audiências, nos disse: "Para viver o Dom da Sabedoria precisamos enxergar o mundo com os olhos de Deus". De fato, o que precisamos entender é que a verdadeira sabedoria está em Deus e o verdadeiro sábio não é aquele que busca enriquecer sua vida com o conhecimento ou sabedoria acadêmica - embora eles sejam importantes e necessário -, mas, sim, aquele que busca, na Palavra de Deus, respostas e orientações para a sua vida.

Devemos ir ao encontro da verdadeira sabedoria, como nos diz o Livro do Eclesiástico: "Fonte de Sabedoria é a Palavra de Deus" (Eclo 1, 5).

Quando olhamos o mundo com os olhos de Deus nos tornamos mais dóceis e amáveis, respeitando toda a criação. Conseguimos enxergar tudo com mais largueza, o que nos torna capazes de agir na busca do bem comum e na prática da caridade, do amor, porque temos a disposição de viver segundo os dons que o Espírito Santo gera em nós, o que nos torna cada dia mais sábios.

Abrir-se a ação do Espírito Santo é deixar-se envolver por seu amor e sabedoria, é deixar que o amor de Deus flua em nós a através de nós.

Fonte: Revista Brasil Cristão - Texto: Pe. Adilson Ulprist

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Os Dez Mandamentos

Os dez mandamentos dados por Deus ao ser humano, e a cada um de nós em particular, são um sinal luminoso do seu grande amor. Um bom pai, porque ama seus filhos e os quer sadios, felizes, bons, honestos, trabalhadores e realizados, procura ensiná-los, dar-lhes bons conselhos e sábias orientações. Assim, também, porque nos ama e quer sempre o nosso bem, nosso Pai celeste nos dá dez grandes ensinamentos em forma de mandamentos.

Qual a mística dos dez mandamentos? Uso a palavra "mística" no sentido de "espírito", de "ótica espiritual", de "objetivo íntimo", de "finalidade última". A mística, o espírito, a ótica, o objetivo, a finalidade dos dez mandamentos está no amor, encontra-se no grande amor de Deus.

Uno e Trino, para com o ser humano, Deus, que nos criou à sua imagem e semelhança e que nos ama com amor eterno, quer orientar-nos pelos caminhos da verdade, do bem e da felicidade.

Nos dez mandamentos, Deus Pai nos educa para que vivamos em profundidade o "amor a Deus" e o "amor ao próximo". Os três primeiros mandamentos nos educam para o nosso relacionamento de amor para com o Deus Trindade. Os outros sete mandamentos nos educam para um verdadeiro amor ao próximo.

Quando um bom pai ensina, dá conselhos, exorta, chama atenção, e até dá ordens ao filho, sempre o faz por amor e para o bem dele, porque o ama. É por infinito amor para conosco, seus filhos, que o Pai celeste nos dá os dez mandamentos. São diretivas de amor para o nosso bem maior. São setas indicativas do caminho verdadeiro para nossa vida.

Quem vive esses mandamentos vive a verdadeira hierarquia de valores, caminha na verdade, faz sempre e só o bem, é mais feliz e sadio, granjeia o respeito, a estima e a admiração de seus irmãos. E, sobretudo, tem a garantia do bem-querer e da bênção do Pai celeste, exatamente por lhe ser obediente.

Obedecer aos mandamentos é obedecer e amar a Deus Pai, a Jesus e ao Espírito Santo. A fidelidade na obediência aos dez mandamentos traz as melhores bênçãos divinas.



(Êxodo 20, 1-17)

1. Então Deus pronunciou todas estas palavras:
2. “Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair do Egito, da casa da servidão.
3. Não terás outros deuses diante de minha face.
4. Não farás para ti escultura, nem figura alguma do que está em cima, nos céus, ou embaixo, sobre a terra, ou nas águas, debaixo da terra.
5. Não te prostrarás diante delas e não lhes prestarás culto. Eu sou o Senhor, teu Deus, um Deus zeloso que vingo a iniquidade dos pais nos filhos, nos netos e nos bisnetos daqueles que me odeiam,
6. mas uso de misericórdia até a milésima geração com aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.
7. Não pronunciarás o nome de Javé, teu Deus, em prova de falsidade, porque o Senhor não deixa impune aquele que pronuncia o seu nome em favor do erro.
8. Lembra-te de santificar o dia de sábado.
9. Trabalharás durante seis dias, e farás toda a tua obra.
10. Mas no sétimo dia, que é um repouso em honra do Senhor, teu Deus, não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem tua serva, nem teu animal, nem o estrangeiro que está dentro de teus muros.
11. Porque em seis dias o Senhor fez o céu, a terra, o mar e tudo o que contêm, e repousou no sétimo dia; e por isso. o Senhor abençoou o dia de sábado e o consagrou.
12. Honra teu pai e tua mãe, para que teus dias se prolonguem sobre a terra que te dá o Senhor, teu Deus.
13. Não matarás.
14. Não cometerás adultério.
15. Não furtarás.
16. Não levantarás falso testemunho contra teu próximo.
17. Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, nem nada do que lhe pertence.”


Fontes: Bíblia Católica Ave Maria  e
  Revista Brasil Cristão - Texto: Pe. Alírio J. Pedrini, scj

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

O Dom da Fortaleza

Temos necessidade desta fortaleza
para levar adiante nossa vida, família e fé.


Ao pensar no dom da fortaleza, chamo a atenção para uma fala do Papa Francisco, a partir da parábola do semeador (Mc 4, 3-9): "A semente, muitas vezes, encontra a aridez do nosso coração e, mesmo se for acolhida, corre o risco de permanecer estéril. com o dom da fortaleza o Espírito Santo liberta o terreno do nosso coração do torpor, das incertezas e dos medos que possam impedi-lo, de modo que a Palavra do Senhor seja colocada em prática de forma autêntica e alegre. É uma verdadeira ajuda este dom; dá-nos força e liberta-nos de tantos impedimentos".

A fortaleza, que podemos chamar de "dom da coragem", imprime em nossa alma um impulso que nos permite suportar as maiores dificuldades e tribulações, e realizar, se necessário, atos sobrenaturalmente heroicos. Não como um ato extraordinário, mas o enfrentamento das tribulações e dificuldades do dia a dia, na família, no trabalho, na vizinhança e, claro, naquela tribulação interior que nos amedronta e nos impede de agir de forma segura e tranquila.

O apóstolo Paulo nos diz: "Tudo posso Naquele que me fortalece" (Fl 4, 13). Por isso, não se pode pensar que o dom da fortaleza é necessário somente para algumas ocasiões ou situações particulares. Este dom deve ser base da vida cotidiana do cristão. É preciso ser forte sempre. Daí a necessidade "desta fortaleza, para levar adiante a nossa vida, a nossa família, a nossa fé".

Não se deixe levar pelo desânimo, sobretudo diante do cansaço e das provações da vida. Não desanime. Invoque o Espírito Santo para que, com o Dom da Fortaleza, o seu coração seja aliviado e ele te sustente frente às dificuldades da vida.

"Peçamos a Deus que, a cada dia,
tenhamos este dom para nos sustentar
e nos fazer forte frente às tribulações
e dificuldades enfrentadas"


Fonte: Revista Brasil Cristão - Texto: Pe. Adilson Ulprist

sábado, 17 de outubro de 2015

Campanha Missionária 2015


O mês de outubro é, para a Igreja, o período no qual são intensificadas as iniciativas de animação e cooperação em prol das Missões em todo o mundo. O objetivo é sensibilizar, despertar vocações missionárias, bem como realizar a Coleta no Dia Mundial das Missões, penúltimo domingo de outubro (este ano dias 17 e 18).

Missão é servir

Este é o tema da Campanha Missionária de 2015. Com isso destacamos a essência da mensagem de Jesus. Ele veio “para servir” (cf. Mc 10,45). Diante da tentação do poder Jesus dá uma grande lição: “Quem quiser ser o primeiro, seja o servo de todos” (Mc 10,44). Essa sabedoria é o lema da Campanha e nos lembra que, diante da tentação do poder e do prestígio, a Missão do cristão é serviço, entrega e doação. E com a Campanha Missionária somos convidados a alargar os horizontes do nosso serviço até os confins do mundo.


Apresentação dos subsídios:
As Pontifícias Obras Missionárias (POM) têm a responsabilidade de organizar, todos os anos, a Campanha Missionária, na qual colaboram a CNBB por meio da Comissão para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial, a Comissão para a Amazônia e outros organismos que compõem o Conselho Missionário Nacional (Comina). Todos os itens da Campanha já foram enviados às 276 dioceses e prelazias do Brasil para serem distribuídos entre as paróquias e comunidades.

Para uma Campanha bem sucedida é importante verificar se o material chegou à diocese e se foi distribuído nas paróquias e comunidades. Além disso, os materiais estão disponíveis no site da POM para baixar e multiplicar livremente.


sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Excelente amigo


“Um amigo fiel é um remédio de vida e imortalidade;
quem teme ao Senhor achará esse amigo.
Quem teme ao Senhor, terá também uma excelente amizade,
pois seu amigo lhe será semelhante.”

(Eclesiástico 6, 16-17) 
.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

A verdadeira alegria

 
Nossa existência é um misterioso rio sagrado. Felizes os que se debruçam sobre ele, ou navegam suas águas, cantando salmos de gratidão, repartindo tempo e vida com os irmãos peregrinos.

A verdadeira alegria nasce no momento em que deixamos de procurar a própria felicidade para presenteá-la aos outros. Reter é apequenar-se, perecer.

A mínima tarefa se torna grande quando realizada com amor e com generosidade, e é ofertada ao Pai.
.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Padroeira do Brasil

Nossa Senhora Aparecida
12 de outubro



Nossa Senhora Aparecida é celebrada no dia 12 de outubro, um feriado nacional desde 1980, quando o Santo Papa João Paulo II consagrou a Basílica, o quarto Santuário Mariano mais visitado no mundo, capaz de abrigar até 45.000 fiéis.

A aparição da imagem de Nossa Senhora ocorreu em outubro de 1717, nas águas do rio Paraíba. Apareceu nas redes de humildes pescadores, que haviam trabalhado o dia todo. depois de "pescarem" a imagem, tiveram uma pesca extraordinária.

A fama de seus poderes foi se espalhando pela região e muitos peregrinavam para rezar. Em 1888 a imagem sagrada foi visitada pela princesa Isabel, que, como pagamento de uma promessa, ofereceu uma coroa de ouro com diamantes e rubis, juntamente com um manto azul, ricamente adornado.

Em 1894 chegaram os Missionários Redentoristas e até hoje o serviço religioso é garantido por eles. Para atender ao fluxo dos romeiros foi construída uma Igreja, que ganhou o título de Basílica em 1908.

No ano de 1955 iniciaram a Basílica nova, construída em forma de cruz grega, com 173 metros de cumprimento por 168 metros de largura, e uma cúpula com 70 metros de altura.

Inúmeros casos de curas, milagres e conversões marcam a história deste grandioso Santuário Mariano, verdadeiro orgulho da fé do povo brasileiro. A imagem de Nossa Senhora Aparecida está presente em todos os lares e são inúmeras as Igrejas e paróquias dedicadas a Ela em todo o Brasil.

O Papa Pio XI, em 1930, proclamou Nossa Senhora da Conceição Aparecida Rainha e Padroeira do Brasil.

Peçamos a Nossa Senhora Aparecida que abençoe,
cada vez mais, nossa Pátria e todas as nossas famílias,
fortalecendo a fé cristã.

.

domingo, 11 de outubro de 2015

Devoção ao Santo Rosário

 
Outubro, o mês das Missões, é o mês em que somos convidados a refletir sobre a atualidade do Santo Rosário em nossa vida cristã.

Por isso mesmo, neste mês devemos reforçar a nossa devoção mariana empreendendo a Oração do Rosário em família, em grupos de orações, nos setores pastorais, nas comunidades e nas paróquias.

Essa devoção contemplativa faz-nos meditar sobre os mistérios de nossa redenção. 

Na Carta Apostólica sobre o “Rosário da Virgem Maria”, o Santo Papa João Paulo II nos ensina que: "O Rosário, de fato, ainda que caracterizado pela sua fisionomia mariana, no seu âmago é oração cristológica. Na sobriedade dos seus elementos, concentra a profundidade de toda a mensagem evangélica, da qual é quase um compêndio. Nele ecoa a oração de Maria, o seu perene Magnificat pela obra da Encarnação redentora iniciada no seu ventre virginal. Com ele, o povo cristão frequenta a escola de Maria, para deixar-se introduzir na contemplação da beleza do rosto de Cristo e na experiência da profundidade do seu amor. Mediante o Rosário, aquele que crê alcança a graça em abundância, como se a recebesse das mesmas mãos da Mãe do Redentor" (cf. RVM, n. 1).

Fonte: CNBB

sábado, 10 de outubro de 2015

Amizade eterna

 
"Feliz daquele que ama a vida em toda sua extensão,
libertando-se de qualquer preconceito,
irradiando apenas a luz natural de se alegrar
com todos aqueles que estão ao seu lado,
ignora os erros em seu semelhante
dando o seu coração em troca de uma amizade sincera e eterna.
De pessoas assim poderemos obter o exemplo
do que é realmente saber viver"
.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Querido Deus!

 
Querido Deus,
obrigado por amares as crianças,
obrigado porque teu amor é muito especial:
Tu nos amas muito mais do que um pai ama seus filhos
porque Tu nos fizeste e a Ti pertencemos.
Obrigado Deus!

Senhor, obrigado por me teres feito,
obrigado por tudo o que posso fazer,
obrigado por eu poder correr, pular e brincar,
obrigado por eu poder ouvir o que me dizes,
obrigado por me amares tal qual eu sou.

Querido Deus,
Tu sabes tudo sobre mim:
Tu sabes como me sinto quando estou feliz ou triste;
Tu sabes o que digo quando sou gentil ou grosseiro;
Tu sabes o que faço quando sou bom ou mal.

Querido Deus,
obrigado por saber tudo sobre mim e ainda me amar.
Amém!


Fonte: Livro "365 orações para crianças" - Ed. Scipione

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Meditação


Sentido e cansado diante do altar
eu conto umas mágoas ao Cristo Senhor:
pergunto insistindo se existe lugar
onde eu possa viver somente de amor.

Responde Ele assim a quem quer uma luz:
"Não lutas sozinho, contigo estou.
Se caminhas sorrindo sob o peso da cruz,
aonde tu vais, também eu vou.

Se queres viver sem nunca sofrer,
persegues então uma grande ilusão.
O que conta na vida, tu podes bem crer,
é dar-se a quem sofre a minha paixão.

Não adianta fugir e tentar escapar,
nas ruas da vida há sempre um irmão
que, enquanto recebe, aprende a doar.
É morrendo na cruz que ensinei a lição.

Quem quer me seguir só tem um caminho;
fazer-se bom trigo, transformando-se em comida,
fazer como a uva, mudando-se em vinho
e tornar-se alimento para os cansados da vida".

Recebi muita luz, não peço mais nada.
O Cristo Senhor pela mão me conduz;
Com Ele mais perto enfrento a jornada
e não tenho mais medo se O vejo na cruz.

(Pe. Vitor Groppelli)

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Voltemos a ser crianças


Neste mês das crianças, quero pensar e escrever livremente como uma delas. E também quero te convidar para essa brincadeira.

Você sabe qual é o segredo da felicidade das crianças? É que, imaginando o oceano, elas brincam numa poça de água. Infelizmente, à medida que crescemos, invertemos essa "lógica". Esquecemos o oceano e nos apegamos à poça de água.

Mário Quintana tem uma frase sobre as crianças que é lapidar: "As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade". Por que será que à medida que crescemos, paramos de brincar?

Jesus Cristo também se relacionou com as crianças e disse com autoridade: "O Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas" (Lc 18, 16).

Portanto, voltemos a ser  crianças novamente! Recuperemos a pureza, a inocência, a simplicidade, os sonhos, o riso fácil. Voltemos a brincar, a cantar, a correr, a nos divertir com tudo. Voltemos a chorar com a dor do outro, com a falta de comida em seu prato, com a falta de roupa, com a falta de brinquedo.

Você sabia que o que diferencia o adulto da criança é o preço dos brinquedos? A criança brinca por horas com uma simples caixa de papelão, inventando mil e uma maneiras de se divertir. O adulto, mesmo com o brinquedo mais sofisticado que existe, se chateia em poucos minutos.

O que torna o adulto tão diferente da criança que ele já foi um dia? O que nos estragou ao longo dos anos? Mas, como uma criança, não é para responder essas perguntas. É para, simplesmente, encontrarmos aquela criança escondida dentro de nós. Duvido que você consiga! E quem fizer isso por último vira mula sem cabeça! Hahaha! Vamos! É fácil, é só dizer: pirlim pim pim!

Ok, sabemos que não é tão simples assim, mas garanto a vocês que se sentarmos no chão e começarmos a brincar com nossos filhos, sobrinhos, netos e amiguinhos vamos encontrar a criança perdida dentro de nós. Talvez ela tenha um pouco de receio, de medo ou vergonha de se expor, mas insista! Deixe ela se manifestar. Garanto que, no mínimo, seus problemas vão desaparecer ainda que seja por algumas horas.

Uma criança é um presente de Deus para a humanidade. É sinal de que Ele não desiste de nós e de que nos quer brincando pela vida afora, seja numa poça de água, seja no escritório, na fábrica, na escola, na rua...

Fonte: Revista Brasil Cristão - Texto: Cássio Abreu

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Credo missionário

 
Cremos que Deus nos escolheu antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante Dele no amor.
(Ef 1, 4)

Cremos que Jesus Cristo nos julgou dignos de confiança, tomando-nos para o seu serviço.
(1Tm 1, 12)

Cremos que somos apóstolos por vocação, servos de Jesus Cristo e escolhidos para anunciar o Evangelho de Deus.
(Rm 1, 1)

Cremos que Deus escolheu o que é loucura para o mundo para confundir os sábios, a fim de que a nossa fé não se baseie na sabedoria humana, mas no poder de Deus.

Cremos que a cada um Deus concedeu uma manifestação do Espírito para a utilidade de todos.

Cremos que devemos nos comportar de uma maneira digna da vocação a que fomos chamados: com toda humildade, mansidão e paciência, procurando crescer em tudo em direção a Ele.
(Ef 4, 1-2)

Cremos que tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio.
(Rm 8, 28)

Cremos que Deus, pelo seu poder operando em nós, é capaz de fazer muito mais do que nós jamais podemos pedir ou imaginar.

Cremos e temos pela certeza de que aquele que começou em nós a boa obra, há de levá-la à perfeição até o dia de Jesus Cristo, porque aquele que nos chamou é fiel. 
Amém!

Fonte: Jornal Missão Jovem

domingo, 4 de outubro de 2015

Alegria de servir

 
Toda a natureza é um serviço.
Serve a nuvem; Serve o tempo; Serve a chuva.

Onde haja uma árvore para plantar, plante-a você.
Onde haja um erro para corrigir, corrija-o você.
Onde haja um trabalho e todos se esquivem, aceito-o você.

É muito belo fazer aquilo a que outros se recusaram,
mas não caia no erro de pensar que só há mérito nos grandes trabalhos.
Há pequenos serviços que são bons serviços:
Enfeitar uma mesa,
arrumar os livros,
pentear uma criança.

Uns criticam, outros destroem.
Seja você o que serve.

Servir não é tarefa de seres inferiores.
Seja você o que remove a pedra do caminho,
o ódio entre os corações
e as dificuldades do problema.

Há a alegria de ser puro e a de ser justo,
mas há, sobretudo, a maravilhosa e imensa
alegria de servir!

(Gabriela Mistral)

sábado, 3 de outubro de 2015

Oração do amanhecer


Senhor,
no silêncio deste dia que amanhece,
venho pedir-te a paz, a sabedoria, a força.

Quero olhar hoje o mundo com olhos cheios de amor,
ser paciente, compreensivo, manso e prudente,
ver além das aparências teus filhos como Tu mesmo os vês
e, assim, não ver senão o bem em cada um.

Fecha meus ouvidos a toda calúnia.
Guarda minha língua de toda maldade.

Que só de bençãos se encha meu espírito.
Que eu seja tão bondoso e alegre
que todos quantos se achegarem de mim
sintam a Tua presença.

Reveste-me de Tua beleza, Senhor,
e que, no decurso deste dia, eu Te revele a todos.
Amém!
.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

A grandeza do silêncio


O silêncio é doçura:
Quando não respondes às ofensas;
Quando não reclamas os teus direitos;
Quando deixas à Deus a defesa da tua honra.

O silêncio é misericórdia:
Quando te calas diante das faltas de teus irmãos;
Quando perdoas sem remoer o passado;
Quando não condenas, mas intercedes em segredo.

O silêncio é paciência:
Quando sofres sem te lamentares;
Quando não procuras consolação nas pessoas;
Quando esperas que a semente germine lentamente.

O silêncio é humildade:
Quando te apagas para deixar aparecer teu irmão;
Quando, na discrição, revelas dons de Deus;
Quando suportas que tuas ações sejam mal interpretadas;
Quando deixas aos outros a glória da obra inacabada.

O silêncio é fé:
Quando sabes que é Ele quem age;
Quando renuncias às vozes do mundo e permaneces na Sua presença;
Quando te basta só Ele.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Reconhecimento a Deus

O hino de louvor a Deus apresentado abaixo foi composto por São Francisco de Assis, dois anos antes de sua morte. O manuscrito original se conserva no Convento de Assis, na Itália:


"Vós sois o santo Senhor e Deus único, que operais maravilhas.
Vós sois o Forte.
Vós sois o Grande.
Vós sois o Altíssimo.
Vós sois o Rei onipotente, santo Pai, Rei do Céu e da Terra.
Vós sois o Trino e Uno, Senhor e Deus, Bem universal.
Vós sois o Bem, o Bem universal, o sumo Bem, Senhor e Deus, vivo e verdadeiro.
Vós sois a delícia do amor.
Vós sois a Sabedoria.
Vós sois a Humildade.
Vós sois a Paciência.
Vós sois a Segurança.
Vós sois o Descanso.
Vós sois a Alegria e o Júbilo.
Vós sois a Justiça e a Temperança.
Vós sois a Plenitude da Riqueza.
Vós sois a Beleza.
Vós sois a Mansidão.
Vós sois o Protetor.
Vós sois o Guarda e o Defensor.
Vós sois a Fortaleza.
Vós sois o Alívio.
Vós sois nossa Esperança.
Vós sois nossa Fé.
Vós sois nossa inefável Doçura.
Vós sois nossa eterna Vida, ó grande
e maravilhoso Deus, Senhor Onipotente, misericordioso Redentor".

Fonte: Arautos do Evangelho
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...